Beyond

Primeiro, assistam ao vídeo



Agora me digam se sentiram um arrepio na espinha na sequência do pombo voando em câmera lenta (por volta ali dos 5"30'). Se sim, estão no meu time, continuem lendo. Mas se não sentiram (ainda), leiam e depois assistam denovo!

Koji Morimoto é o nome por trás desse curta que faz minha cabeça desde 2003. Já perdi as contas de quantas vezes já o assisti completo e mais ainda as vezes que fiquei dando repeat na cena do pombo!

O cabelo rosa e azul, a criançada pós-punk(adoro rótulos), o cachorro dando erro nos pixels, a chuva no meio da casa, os papeis (odeio escrever papéis sem acento) de jornal voando desenfreadamente do nada pro nada, a inocência da Yuki e por fim, a melhor e mais profunda: toc toc, anybody home?

É tanta inspiração, tanta coisa que ficou na minha cabeça depois dessa overdose maluca, que eu precisava vomitar isso de alguma forma. O throw-out veio em forma de uma tela 100x80cm, desenhada com caneta Acrilpen, nankin e tintas xadrez em técnica aguada em meados de 2007:

O segundo 34, você lembra?